A melanina nos gatos, cores umelanísticos, o gene de diluição da cor

Gatos Paradais Sphynx

Informações sobre os gatos, os seus cuidados e saúde, raças de gatos, genética felina. Fotos e vídeos.

Cabeçalho Direito

  • Animales
  • Perros
  • Centenas de
  • Répteis
  • Anfibios
  • Aves
  • Peces
  • Mamíferos
  • Sphynx
  • Perro pelo pecado
  • Invertebrados
  • Naturaleza
  • Viajes

Autor: Paradais Sphynx Deja un comentario

nesta página sobre gatos

  • 2.1 Possíveis combinações
  • 2.2 Exemplo prático
  • 3.1 Exemplo de gatos diluídos
  • 4.1 Mais informações sobre gatos, água, cuidados…

Uma pigmentação denominada eumelanina, componente da melanina é a responsável de que os gatos possuam um manto cor preta e, em caso de não manifestação, o gato apresentaria um fenótipo branco.

Melanócitos e produção de melanina

Umas células chamadas melanócitos, localizadas na epiderme e o folículo piloso, são as responsáveis pelo aparecimento da diversidade de cores dos gatos; a sua missão principal é a produção de melanina, que é um pigmento granulado e localizado na pele, cabelo e olhos do animal.

Existem dois tipos de melaninas:

– Eumelanina: Pigmentação preta, marrom, são moléculas esféricas que absorvem a luz.

– Feomelaninas: Pigmentação laranja, amarelo ou vermelho, refletem a luz, moléculas mais longas.

A densidade e intensidade dos pigmentos, a alimentação e a temperatura completar a grande variedade de padrões e cores existentes no gato.

A cor branca se deve ao efeito contrário, ou seja, ocorre pela ausência de pigmentação no animal como consequência da falta de sobrevivência dos melanócitos, que morrem antes de migrar para a epiderme durante o processo chamar bíblia.

O gen-B e os gatos pretos

O gene B é o responsável pela pigmentação negra, ou seja, gatos com fenótipo cor preta; tem um alelo recessivo simbolizado pela letra b, trata-se de uma mutação que altera a cor do manto, tornando-o no Chocolate ou marrom, por sua vez, existe outro alelo recessivo em frente a B e b, que transforma o manto em uma tonalidade de canela ou castanho claro, é o alelo b1. Tanto b como b1, por se tratar de genes recessivos, é necessário que se apresentem em homocigosis ( ou, no caso da cor chocolate no garanhão normal para canela: bb1) para que o gato exteriorice esses mantos tão característicos.

A mudança de cor de preto, chocolate ou canela se deve a uma deformação das partículas dos pigmentos consequência de uma incorreta produção de índigo; os pigmentos se convertem em formas alongadas, o que faz com que ocorra essa mudança de tonalidades.

se você detectar possíveis combinaciones

– Preto: oferece suporte para as seguintes combinações: BB (homocigoto, fenótipo negro, dominante), Bb (fenótipo negro portador de chocolate, heterocigoto), Bbl (heterocigoto, fenótipo negro portador de canela).

– Chocolate: bb (homocigoto fenótipo não é o chocolate), bbl (heterocigoto, um fenótipo não é o chocolate, portador de canela).

– Canela: brincamos (homocigoto, fenotipo canela).

Exemplo prático

Imagine um cruzamento de um gato homocigoto para o caráter preto (BB) com uma fêmea chocolate (bb):

Todos os gatinhos serão de cor preta, pois o gene dominante se impõe frente ao recessivo.

Suponha o mesmo exemplo, mas neste caso, o macho é portador de chocolate:

Ao estar presente em ambos os pais o gene recessivo (b), ele se manifestará na semente e, em consequência, teremos mais de 50% dos gatinhos cor chocolate e o resto serão negros portadores de chocolate.

O gene de diluição: gatos azuis, lilases e cervato (cinnamon)

O anterior gene se complementa com o chamado gene de diluição D, que tem o efeito de controlar a densidade da cor, seu alelo «d» diluir a densidade da pigmentação e faz com que o gato se transforme em uma tonalidade azul, lilás, creme ou fawn (cervo, cervato ou cinnamon).

Em suma, o gene de diluição da cor produz uma nota de esclarecimento na pele do gato; isso se deve a uma distribuição anormal em partículas de pigmentos. Trata-Se de um gene que ocupa um locus diferente do anteriormente estudado, isto é, o gene B e, portanto, atuam de forma independente.

Como podemos observar aumenta a variedade de cores no gato; muitos gatinhos chegam a apresentar coloridos lindas; além disso, a diluição também pode afetar gatos vermelhos, ou seja, aqueles mininos que em vez de ter de pigmentação preta (eumelanina), têm uma coloração laranja ou vermelha (feomelanina) e, em consequência exteriorizan um manto cor de creme.

Exemplo de gatos diluídos

aqui está uma tabela de cruzamento para fazer um estudo de como funciona esse gene; supomos um cruzamento de dois gatos negros, portadores de chocolate e diluição e que contam com o seguinte genótipo: Bb Dd

– As estatísticas nos mostram que 9/16 (56.25%) serão gatos com fenótipo negro, 3/16 (18.75%) azul, 3/16 (18.75%) gatos chocolates e 1/16 lilás.

– Ambos os gatos carregam chocolate; em conseqüência, na descendência nascerão filhotes chocolates.

– Como os pais carregam também o gene recessivo de diluição, nascerão gatos lilas (diluído do chocolate) e gatos azuis (diluída do negro).

– Em caso de desconociéramos o genótipo dos pais, teríamos que realizar cruzamentos de teste para saber se são ou não portadores de diluição, exemplo: se na camada saem diluídos é óbvio que o são; se saem todos pretos, provavelmente, um ou nenhum é portador; o melhor, neste último caso, é cruzá-los com gatos diluídos e assim teríamos um alto grau de acerto para a descoberta deste gene em nosso gato. Hoje em dia ele conta com a vantagem de testar o gato em um laboratório especializado e assim, em poucos dias, poderemos verificar se é portador de uma determinada cor.