Genética do gato sphynx

Gatos Paradais Sphynx

Informações sobre os gatos, os seus cuidados e saúde, raças de gatos, genética felina. Fotos e vídeos.

Cabeçalho Direito

  • Animales
  • Perros
  • Centenas de
  • Répteis
  • Anfibios
  • Aves
  • Peces
  • Mamíferos
  • Sphynx
  • Perro pelo pecado
  • Invertebrados
  • Naturaleza
  • Viajes

Autor: Paradais Sphynx Deja un comentario

nesta página sobre gatos

  • 1.1 Dos gatos sphynx pecado pelo: hr hr x hrhr
  • 1.2 Sphynx (hr hr) x gato doméstico (Rh-Hr)
  • 1.3 Gatos pecado pelo pero con descendencia peluda
  • 3.1 Mais informações sobre gatos, água, cuidados…

Uma revisão da genética do gato sphynx

A estas alturas podemos dizer que o gato sphynx surge como consequência de uma mutação natural de caráter recessivo. Seu alelo hr homocigosis produz a ausência de cabelo.

Dos gatos sphynx pecado pelo: hr hr x hrhr

Se cruzam dois exemplares carentes de cabelo, a descendência, tendo em conta a sua genética, será toda sem cabelo na maior parte de seu corpo:

hr hr
hr hr hr hr hr
hr hr hr hr hr

Como podemos observar o seu genética não apresenta complicações em uma primeira tomada de contato com o gato esfinge ou egípcio.

Partimos sempre da base de considerar um exemplar logicamente puro, isto é, que tenha um mínimo de quatro gerações de sphynx e que o pedigree é confiável.

Sphynx (hr hr) x gato doméstico (Rh-Hr)

No cruzamento de um gato doméstico, um gato esfinge, toda a primeira geração com o cabelo:

Hr Hr
hr Hr hr Hr hr
hr Hr hr Hr hr

Os gatos heterozigotos (H) da camada anterior exteriorizan um manto com cabelo, já que a calvície é recessiva; o que acontece é que esses gatos peludos já carregam o gene e, por isso, se você cruza com um sphynx, teremos ninhadas de gatos nudez em uma proporção de 50%:

Hr hr
hr Hr hr hr hr
hr Hr hr hr hr

Até aqui está tudo claro, já que é algo básico. O problema surge quando dois gatos sem pêlos possam nascer gatos completamente peludos, há uma base genética que explica tudo.

Gatos sem pêlos, mas com descendência peluda

A) Pode dar-se o caso de que se trate de uma cruza entre um sphynx e um Don sphynx, nestes casos, toda a ninhada, sempre sai com cabelo. A genética do Don sphynx é um pouco complicada, aparentemente, o gene é dominante e em homocigosis é letal, por isso existem duas variedades: gato Don sphynx, com cabelo, sem cabelo. É necessário que as cruzas sigam essa métrica, pois se juntam dois «Don sphynx» sem cabelo, toda a descendência pode acabar morrendo. Também é importante não misturar esta genética com um sphynx, gato esfinge ou egípcio, de facto, existe uma crença generalizada de que esse tipo de cruzas favorecem a qualidade do gato esfinge, quando na verdade, você está introduzindo um gene que pode ser letal se comportam os dois progenitores de sphynx, com o que de dar-se o caso, poderia ser a causa de muitas baixas em futuras ninhadas. Trata-Se de um gene dominante e ocupa um locus diferente que o gene hr.

B) Outra hipótese é que a esfinge porte genética Devon ou Cornish. Neste caso, para compreender essas anomalias temos que saber um pouco de genética de Devon Rex e Cornish Rex, tendo-se em conta que as origens do sphynx, gato egípcio ou esfinge, no que se refere a seus antepassados, fizeram com ligações deste tipo de exemplares. Além disso, o gene responsável por esse manto tão especial que caracteriza essas raças é do tipo recessivo, mesmo genes são independentes e igual que o caso anterior ocupam um locus independente.

Os alelos do Conrnish rex são os seguintes:

– R, Rr: gato con pelaje normal.
– rr: gato con pelaje Cornish.

O Devon rex apresenta também os seguintes alelos:

– Re, Re Re: capa normal.
– re: gato Devon.

Em ambos os casos, a genética do manto segue a mesma sistemática que o gato sphynx, é recessivo, portanto, são de porte ambos os pais para que se manifeste na descendência.

este exemplo é onde eu quero chegar, para que o leitor vá entender o porquê de certas anomalias. Vejamos isso melhor com um exemplo prático:

Imagine o cruzamento de dois gatos e gatos com pelagem normal, mas portadores de Cornish e de Devon:

R R Re Re X R r Re re

reino Unido Vendareino Unido vendareino unido Vendavendas do reino unido,reino Unido Vendao reino UNIDO Vendidos Vendidoso reino UNIDO Vendidos vendidoso reino Unido Vendidos VendidosO reino unido Vendidos vendidosreino Unido venda o reino UNIDO Vendidos vendidoso reino UNIDO vendidos vendidoso reino Unido Vendidos vendidosO reino unido vendidos vendidos reino unido Venda R r Re ReR r Re rer r Re Rer r Re rereino unido vendaR r Re reR r re rer r Re rer r re re

Observamos que sairão gatinhos Devon, gatinhos Cornish, felinos com o manto normal e até mesmo alguns com uma pelagem mistura intermediária entre as duas raças anteriores.

Se mudamos a previsão para a cruza entre dois sphynx portadores de genética Devon e Cornish, teríamos as seguintes probabilidades:

– hr rr re x hr rr re:

hrivendahrhr hrhr rrh vendasihr rbrvendarh vendasvendas do reino unidovendidos vendidos

Como podemos observar a parte de gatos esfinges, teríamos gatinhos Devon e Cornish e até mesmo com padrão intermediário, mas isso só acontece quando a genética é muito próxima; em uma quarta ou quinta geração já não se cumpre, de dar-se o caso, o problema estaria no pedigree. Portanto, entre dois sphynx nunca pode sair gatos completamente peludos, se sai, é o fato de que um dos progenitores tem poucas gerações de sphynx e, portanto, não é puro. Para considerar a esfinge puro precisa de um mínimo de quatro gerações, eu me inclinara por cinco ou seis, já que se porta genética rex tarda em ser eliminada por completo o manto (principalmente na cauda e extremidades inferiores), a diferença de cruzas com gato doméstico, onde se é mais fácil eliminar o pêlo do gato.

Isso não quer dizer que esses híbridos podem aproveitar para futuras atravessá-la, de fato, em quatro ou cinco gerações poderiam ser considerados como uma esfinge puro.

Algumas teorias sobre essas anomalias

Para explicar este fenômenos apareceram várias teorias, já que não existia uma conclusão lógica e majoritária. Por exemplo, criadores de TICA considerava o gene Devon como dominante contra o sphynx e ocupam o mesmo locus em que o gene do manto normal: Hr. Em conseqüência, a ordem de dominância seria: Hr, re, hr. Esta reflexão não nos ajuda a resolver o problema inicial, talvez um argumento mais certo é levar em consideração o gene devon em um locus diferente para o gene hr. Para outros, o fenômeno é resultado da interação de genes, neste caso, a dominância é incompleta, pessoalmente, me inclino melhor por esta segunda teoria, sobretudo como suporte uma base científica que explique aqueles gatinhos que saem misturadas.

Na família rex existem mais raças de gatos, por exemplo, o Selkirk Rex, sua genética, ao contrário dos anteriores é dominante. Mas isso aplicado em cruzas com sphynx já é farinha de outro saco…

Finalmente, devemos ter em conta que as previsões há que interpretá-las sobre um determinado número de ninhadas e não em uma camada isolada. E que os gatos que saem tipo Devon, Cornish ou mistura de ambos, não há que interpretá-los como gatos perfeitos, já que não estão sendo trabalhados e seu fenótipo varia consideravelmente com relação a um gato, um cão de canil.