Doenças mais frequentes em répteis de estimação

Listamos as doenças mais frequentes que podemos encontrar na répteis que vivem em cativeiro; por se tratar de répteis de estimação ou animais de estimação, costumam habitar no terrário, espaços de dimensões reduzidas, em comparação com o seu meio natural, pelo que são propensos a acidentes, ferimentos, etc., além disso, podem contrair determinadas patologias, neste artigo, descrevemos as mais relevantes.

Queimaduras: Os répteis, de forma natural, são atraídos pelo calor, e muitas vezes, devido a uma má disposição dos elementos de aquecimento ou iluminação dentro do terrário, podem ocasionar acidentes por queimaduras, até mesmo, ser muito graves e infectado com facilidade. Geralmente são tratadas com antibióticos e lavados diariamente.

Feridas: Sobre tudo em animais difíceis de manipular, costumam ser mais enganosos, e é frequente acidentes por arranhões, cortes, etc., com certos elementos do terrário, em casos mais graves deve ser monitorizado pelo veterinário para uma correcta cura do herpeto.

Mordidas presas: Ocorre com o fornecimento de alimentos vivos e tendem a ser evitados com alimentos congelados ou mortos recentemente. Como todas as mordidas, são susceptíveis de infecção.

Disecdisis: Problemas com o processo de muda em função da falta de umidade, deficiências alimentares, parasitas, etc., devem aumentar no terrário aqueles elementos que promovam a bílis, outra opção é remover a pele seca de forma manual.

Distocia: Retenção de ovo que podem se infectar e causar problemas sérios no animal. É importante consultar o veterinário para a sua retirada de imediato.

Hipervitaminosis A ou B: Pode se dar por uma má alimentação, por excesso de suplementos alimentares para corrigir uma hipovitaminosis. Oferecer ao réptil, no caso dos carnívoros, carne crua e não congelada pode ajudar a corrigi-lo.

Hipovitaminosis: É habitual em tartarugas que se alimentam apenas com krill vendido em lojas. Caracteriza-Se por olhos fechados com secreção, abscesso auriculares tópicas e dificuldade respiratória.

Doença metabólica óssea: Costuma ocorrer como consequência de uma baixa quantidade de vitamina A, seja pela dieta ou por falta de radiação ultravioleta B (UVB). É possível a cura, mas não serão corrigidas as anomalias ósseas produzidas por esta patologia.

Parasitas: Os parasitas internos são comuns em répteis, a forma de prevenção é importante desparasitaciones periódicas contra a coccidios, vermes, protozoários. Os parasitas externos também podem produzir certos problemas na pele do réptil, como é o caso de os carrapatos ou carraças.

Por: A patologia é causada por estresse, feridas, infecções e cursa com gengivite e perdas dentárias.

Pneumonia: Facilmente detectável já que o réptil apresenta dificuldade respiratória, boca entre aberta, etc. Esta doença pode ser por stress, mudanças na temperatura ambiental.

Otite, infecções nos olhos: Também são comuns em répteis de estimação.

Finalmente, destacar que existem muito mais doenças, por que ir à consulta de um veterinário especializado em exóticos nos ajudará a prevenção de muitas doenças em nosso herpeto animal de estimação.