Asma em cães, informações sobre a doença

A doença da asma é um problema que pode afetar os animais de estimação, neste artigo vamos nos concentrar na doença de asma em cães.

A asma em cães é causada principalmente por uma substância que causa uma reação alérgica. É uma doença pouco comum, a qual pode afetar todo o tipo de raças em qualquer fase de sua vida, sobre todos os animais com excesso de peso ou com problemas cardíacos ou pulmonares, mas cabe destacar que as raças braquiocefálicas, como o buldogue, pug, boxer, pequinés, Shi tzu, etc., podem sofrer processos mais agudos e crônicos devido a dificuldades respiratórias que comumente apresentam.

A asma em cães causa danos no sistema respiratório, provocando como consequência um fechamento dos brônquios e uma inflamação a nível de bronquiolos, há também que se enchem de muco e o entupimento; o muco aparece comumente durante a noite e fazer com que todas as manhãs, quando o cão acordar, está congestionado, o que é uma auto-defesa do sistema do indivíduo e, portanto, dificultar significativamente a respiração do cão. Este problema pode vir a se complicar e desencadear doenças infecciosas, como pneumonia, bronquite e até mesmo se um paciente sofre de algum problema cardíaco, e apresenta esta doença poderia chegar a morrer se não for tratada a tempo.

Causas da asma em cães

Entre as principais causas que provocam asma em cães podemos encontrar fatores genéticos (doença hereditária), um sistema imune fraco ou a inalação de poeira, ar seco, ácaros, pólen, latidos, exercício, assim como alguns outros agentes poluentes que se encontram no ambiente, tais como a poluição e fumaça ou produtos comumente utilizados em casa ou diretamente aplicados no animal de estimação, os quais serão os fatores desencadeantes do problema.

Sintomas da asma em cães

Entre os sinais mais freqüentes da doença, podemos encontrar os seguintes:

  • Respiração mais lenta e marcada
  • Dificuldades para respirar
  • Tosse com ou sem expectoração)
  • Tentativas de vomitar
  • Asfixia (gengivas e língua azul)
  • Anorexia
  • Perda de peso
  • Cansaço evidente
  • Boca aberta constantemente
  • Movimentos mais lentos
  • Intolerância ao exercício

Se o mamífero já leva tempo com esse problema, você pode causar um dano irreversível às membranas que revestem o sistema respiratório. Nos ataques agudos de asma em cães, a falta de ar será evidente ao se tornar as mucosas de cor azul, por que estaríamos diante de uma emergência médica e deve ser tratada o mais cedo possível, por médico veterinário.

Diagnóstico O Que fazer se meu cão tem asma?

Para poder fazer um diagnóstico correto de asma em cães é necessário ir ao veterinário, o qual realizará um exame físico abrangente, com foco principalmente no exame cardiovascular e pulmonar, como a cor das mucosas, tempo de preenchimento capilar, ausculta cardíaca e pulmonar, freqüência respiratória, pulso, palpação médicos, etc. Também procede à revisão da história clínica do paciente, o que ajudará a determinar o fator desencadeante do problema. De igual forma deverão realizar radiografia de tórax em duas diferentes projeções para tentar buscar um dano notável a nível dos pulmões, mas nem sempre é visível, também serão aplicadas análises ao sangue e teste de parasitas internos, principalmente para descartar outros tipos de doenças que apresentam sinais semelhantes e que também podem vir a afetar o sistema respiratório, tudo isto com o fim de poder chegar a um diagnóstico mais preciso.

Tratamento da asma em cães

O tratamento para a asma em cães consiste basicamente em eliminar os fatores que estão causando a infecção do sistema respiratório, mas de certa forma é um pouco difícil eliminá-lo cem por cento, porque, como já estudado, podem ser várias as causas do ataque de asma em cães, também deverão ser implementados terapias usando o tanque de oxigênio com máscara, ou uma câmara de oxigênio, se o paciente é pequeno, o que ajudará bastante para que o animal se recupere mais rápido de um ataque severo de asma, sobretudo se se tiver em conta que provoca uma notável diminuição da quantidade de oxigênio durante o ataque, aceleração do ritmo cardíaco e, portanto, maiores dificuldades para respirar.

Como terapia de suporte, o médico veterinário irá determinar quais serão os medicamentos necessários para cada problema que produz a doença, tais como:

  • Veja: os quais ajudam a reduzir a inflamação e constrição brônquica, permitindo uma melhor e mais fácil respiração do cão.
  • anti-histamínicos: têm a função de bloquear a resposta auto-imune que produzem no organismo os agentes alérgenos.
  • Esteróides: devem evitar futuros ataques de asma, devido a que reduzem a inflamação das vias respiratórias, por isso, vai melhorar significativamente com este tipo de tratamento.

É possível que o paciente não apresente uma resposta inicial mais rápida ao começar o tratamento, pelo que se deve ir testando várias alternativas de acordo com as indicações do médico veterinário, até que o tratamento possa adaptar-se adequadamente ao cão.

existem Também tratamentos ou remédios naturais, os quais podem ser administrados por tempos prolongados, mesmo durante toda a vida do animal, desde que o veterinário considerar necessário.